TUA VISITA ME FAZ FELIZ

3000 postagens neste blog

3000 postagens neste blog
Search this blog - pesquisa por título

ARTE É VIDA

ARTE É VIDA
"Que haja ternura no lirismo da poesia da vida. Que haja coragem em nossos passos para seguirmos em meio à aridez dos sonhos desfeitos. Que haja força para reconstruirmos os alicerces dos sonhos eternizados na verdade de nosso coração. Que nesta senda nos seja permitido estar em aliança com nossos Irmãos de Luz e que sejamos a personificação do Amor."

NESTE BLOG - 3000 POSTAGENS - POSTS DESDE O ANO DE 2006

Aqui em 'Arte é Vida', você é o principal personagem deste roteiro de músicas, de paz e amor. Obrigada pela sua presença, é valiosa para mim, se quiser, deixe sua mensagem em meu livro de visitas, abraços, Sandra

Search This Blog-pesquise aqui todo o conteúdo deste blog- 3000 postagens- só pesquisar e clicar

Sandra Waihrich Tatit

Sandra Waihrich Tatit
"Que haja ternura no lirismo da poesia da vida. Que haja coragem em nossos passos para seguirmos em meio à aridez dos sonhos desfeitos. Que haja força para reconstruirmos os alicerces dos sonhos eternizados na verdade de nosso coração. Que nesta senda nos seja permitido estar em aliança com nossos Irmãos de Luz e que sejamos a personificação do Amor."

BIOGRAFIA I

Sandra Waihrich Tatit
Aniversário: 11 de Fevereiro
Signo astrológico: Aquário
Atividades: Direito , Literatura , Música e Educação
Profissão: Advogada
Local: Júlio de Castilhos : Rio Grande do Sul : Brasil
Clip de áudio
Quem sou eu
NASCI EM JÚLIO DE CASTILHOS, RIO GRANDE DO SUL, BRASIL.
MÃE DE TRÊS FILHOS, RUBENS, RUSSAIKA E ANGELA. FILHA DE RUBENS CULAU TATIT E CLÉLIA WAIHRICH TATIT.
SOU ADVOGADA, CURSEI DIREITO NA UNIVERSIDADE FEDERAL DE SANTA MARIA, RIO GRANDE DO SUL, BRASIL.
CULTIVO A ARTE COMO UMA LIBERTAÇÃO, PIANO, VIOLÃO, CANTO E LITERATURA.
INTEGREI O CORAL DA UNIVERSIDADE.
LIVRO DE ARTE PUBLICADO, "UMA NOVA DIMENSÃO DA ARTE NA EDUCAÇÃO".
CURSEI PÓS GRADUAÇÃO EM EDUCAÇÃO LATU SENSU.
VEJO A ARTE COMO UMA LIBERTAÇÃO DO SER HUMANO, UMA TERAPIA QUE AMENIZA OS SOFRIMENTOS DO COTIDIANO.
A MÚSICA É A HARMONIA DO HOMEM, A LINGUAGEM DO UNIVERSO.
INTERPRETO PIANO E VIOLÃO, APRECIO CANTAR.
POSSUO COMPOSIÇÕES MUSICAIS, PARA PIANO E VIOLÃO.
NA EUROPA, CONHECI UM POUCO DA HISTÓRIA DA ARTE, ESPECIALMENTE NA ITÁLIA.
DIZ GANDHI, "PRECISAMOS SER AS MUDANÇAS QUE QUEREMOS VER NO MUNDO".
SOU DO SIGNO DE AQUÁRIO, ACREDITO NA ASTROLOGIA E SUA INFLUÊNCIA EM NOSSA VIDA E PERSONALIDADE.
PRETENDO ESCREVER AQUI NO BLOG, SOBRE DIVERSOS TEMAS E POESIAS, TAMBÉM PUBLICAR TEXTOS RELEVANTES DE OUTROS AUTORES.
ESCREVO POEMAS, É UMA FORMA DE DAR MAIS LEVEZA À VIDA. PREGO A ARTE COMO UMA UMA VIDA DENTRO DA PRÓPRIA VIDA QUE SE ETERNIZA PELO ESPÍRITO, UMA LINGUAGEM UNIVERSAL.
UM TRIBUTO A CAMÕES NESTA FRASE ,"CESSA TUDO QUANTO A MUSA CANTA QUANDO UM PODER MAIS ALTO SE AGIGANTA."
Interesses:
ARTE E MÚSICA
DIREITO E EDUCAÇÃO .
Filme favorito
"FREUD ALÉM DA ALMA".
Música favorita
A CLÁSSICA " SONATA AO LUAR " DE BEETHOVEN.
Livros favoritos
" O PROFETA " DE GIBRAN KHALIL GIBRAN . GOSTO MUITO DE LITERATURA ORIENTAL. "OS HETERÔNIMOS" DE FERNANDO PESSOA (Poeta Português). OS POEMAS DE NOSSO POETA OLAVO BILAC
ME FASCINAM
COMO "A VIA LÁCTEA E BENEDITICE". CECÍLIA MEIRELES E LYA LUFT
MINHAS GRANDES MUSAS DA POESIA . "O ATENEU" DE RAUL POMPÉIA . A "DIVINA COMÉDIA" DE DANTE ALIGHIERI
"DON QUIXOTE DE LA MANCHA"
DE MIGUEL DE CERVANTES. QUERO RENDER UM TRIBUTO À MAGISTRAL LITERATURA DE CAMÕES EM " OS LUSÍADAS . "

SEJAM BEM VINDOS AMIGOS!


Arte é Vida e Educação

"Que haja ternura no lirismo da poesia da vida. Que haja coragem em nossos passos para seguirmos em

"Que haja ternura no lirismo da poesia da vida. Que haja coragem em nossos passos para seguirmos em

BIOGRAFIA II

Sobre Mim
Advogada
Universidade Federal de
Santa Maria

Brazil

Artes
Música-Piano-Violão
Literatura

ARTE É VIDA
A Arte é Linguagem Universal

•*¨*•♫♪•♫♪•♥♫•*¨*•♫♪•♫♪•♥
•*¨*•♫♪•♫♪•♥♫•*¨*•

Advogada
Produtora Rural
Agropecuária - Agronegócios
Arte-Música - Piano Violão e Literatura
Aprecio as pessoas transparentes e verdadeiras. As relações humanas me cativam, direito, justiça e paz
são minhas trajetórias de vida, ajudar o ser humano o máximo que me seja permitido, sentindo a beleza de minha vocação e o apelo do mundo atual à disponibilidade de minhas energias. Meu primeiro livro publicado 'Uma Nova Dimensão da Arte na Educação'. Na Europa conheci a História da Arte. Na Itália, França. Espanha, Alemanha, Holanda, Bélgica, Áustria e Suiça. Cursos e estudos na área artística e 'História da Arte'.
Sou membro da Ordem dos Advogados do Brasil (OAB) Estado do Rio Grande do Sul.
Cursei a Escola Superior do Ministério Público e Pós Graduação em Educação Latu Sensu, minha tese foi sobre a Arte e a sua Dimensão no Ensino. Possuo composições musicais de minha autoria, música e letra.
Também alguns vídeos, os quais se encontram no youtube. Mensagens que circulam na internet, formatadas e sonorizadas. Músicas gravadas em seleção e editadas, para sites ou audiência .
Sou funcionária pública do Estado do Rio Grande do Sul.
Brasil.
Creio na Educação como a forma de melhorar o mundo e o ser humano, a Arte na Educação, como uma libertação e incentivo à aprendizagem mais eficiente. Na Arte Terapia, como forma de cura e amenização de conflitos existenciais. Na música, como a Linguagem Universal. Arte Pura como uma vida dentro da própria vida, se eternizando pelo Espírito.
Os artistas são as antenas da raça humana, eles auscultam e pressentem o porvir. Arte é Vida.
Sou mãe de três filhos, Rubens, Russaika e Angela.

'Minha alma tem o peso da luz. Tem o peso da música. Tem o peso da palavra nunca dita, prestes quem sabe a ser dita.Tem o peso de uma lembrança.Tem o peso de uma saudade. Tem o peso de um olhar. Pesa como pesa uma ausência. E a lágrima que não se chorou. Tem o imaterial peso da solidão no meio de outros'.
Clarice Lispector

UMA INTENSA LUZ ATRAVESSA O SILÊNCIO DA VOZ QUE CALA...

Status de relacionamentoDivorciada

Informações de contato: swrichtat@terra.com.br

Endereço
  • Santa Maria, Brazil

Site

E-mail
  • swrichtat@terra.com.br

Facebookfacebook.com/sandra.waihrichtatit

ARTE É INSPIRAÇÃO E EMOÇÃO

ARTE É INSPIRAÇÃO E EMOÇÃO

DIVINA MÚSICA

Divina Música!
Filha da Alma e do Amor.
Cálice da amargura
E do Amor.
Sonho do coração humano,
Fruto da tristeza.
Flor da alegria, fragrância
E desabrochar dos sentimentos.
Linguagem dos amantes,
Confidenciadora de segredos.
Mãe das lágrimas do amor oculto.
Inspiradora de poetas, de compositores
E dos grandes realizadores.
Unidade de pensamento dentro dos fragmentos
Das palavras.
Criadora do amor que se origina da beleza.
Vinho do coração
Que exulta num mundo de sonhos.
Encorajadora dos guerreiros,
Fortalecedora das almas.
Oceano de perdão e mar de ternura.
Ó música.
Em tuas profundezas
Depositamos nossos corações e almas.
Tu nos ensinaste a ver com os ouvidos
E a ouvir com os corações.

Gibran

MEUS BLOGS / SITES


MINHA PÁGINA NO FACEBOOK
facebook.com/sandra.waihrichtatit

CAMINHOS DA ARTE
http://sandrawaihrich.blogspot.com/

MEUS POEMAS DE IMPROVISO
http://aquariussandra.blogspot.com/

CAMINHOS SUBLIMES
http://caminhossublimes.blogspot.com/

EDUCACIÓN POR EL ARTE-MEU NOVO LIVRO
http://wwweducacionporelarte.blogspot.com/

BLOG TERRA
http://sandra737.blog.terra.com.br/

ARTE É VIDA
http://www.sandrawaihrichtatit.blogspot.com/

MEUS RETALHOS DE VIDA
http://meusretalhosdevida.blogspot.com/

VÓ NEZA
http://voneza.blogspot.com/

MINHAS LÁGRIMAS CONTIDAS
http://minhaslagrimascontidas.blogspot.com/

NOSSA GRUTA PREFERIDA
http://nossagrutapreferida.blogspot.com/

VÍDEOS E SLIDES
http://textossandravideos.blogspot.com/

ASTROLOGIA
http://aquarius-gemini.blogspot.com/

MY LIFE IS MADE OF MOMENTS
http://sandramoments.blogspot.com/

FAZENDA DO HERVAL
http://agropecuariagirassois.blogspot.com/

SINFONIA DE SENSUALIDADE
http://sinfoniadesensualidade.blogspot.com/

MSN SPACES LIVE
http://rurusan.spaces.live.com/

POESIAS E BIOGRAFIAS
ESSÊNCIA POÉTICA

MEU TWITTER
http://twitter.com/sandrawaihrich/

ESTATÍSTICAS
http://www.geovisite.com/pt/directory/artes_musica.php

DESABAFOS
http://whaareyoudoing.blogspot.com/

SITE 1oo CANAIS DE JORNALISMO INDEPENDENTE
http://100canais.ning.com/profile/SandraWaihrichTatit

SITE VERSO E PROSA
http://versoeprosa.ning.com/profile/SandraWaihrichTatit

EDUCADORES DO BRASIL
http://educadoresdobrasil.ning.com/

MY FACEBOOK
http://pt-br.facebook.com/people/Sandra-Waihrich-Tatit/100000404958625

E-MAIL PARA CONTATO
swrichtat@terra.com.br

MEU NOVO LIVRO DE VISITAS-ASSINAR
http://users3.smartgb.com/g/g.php?a=s&i=g35-65896-01

POLÍTICA SEM ÉTICA
www.politicasemetica.blogspot.com

DIGITAL ART

DIGITAL ART
"Que haja ternura no lirismo da poesia da vida. Que haja coragem em nossos passos para seguirmos em meio à aridez dos sonhos desfeitos. Que haja força para reconstruirmos os alicerces dos sonhos eternizados na verdade de nosso coração. Que nesta senda nos seja permitido estar em aliança com nossos Irmãos de Luz e que sejamos a personificação do Amor."

GUESTBOOK - SIGN HERE

GUESTBOOK - SIGN HERE
"Que haja ternura no lirismo da poesia da vida. Que haja coragem em nossos passos para seguirmos em meio à aridez dos sonhos desfeitos. Que haja força para reconstruirmos os alicerces dos sonhos eternizados na verdade de nosso coração. Que nesta senda nos seja permitido estar em aliança com nossos Irmãos de Luz e que sejamos a personificação do Amor."

CLIQUE NA ROSA PARA ASSINAR MEU LIVRO DE PRESENÇAS

CLIQUE NA ROSA PARA ASSINAR MEU LIVRO DE PRESENÇAS
FELIZ COM TUA VISITA

UMA INTENSA LUZ ATRAVESSA O SILÊNCIO DA VOZ QUE CALA

UMA INTENSA LUZ ATRAVESSA O SILÊNCIO DA VOZ QUE CALA
Grandes verdades são traduzidas pelo silêncio

ARTE É LIBERDADE

A OBRA DE ARTE É O EFÊMERO QUE SE TORNA IMORTAL

A OBRA DE ARTE É O EFÊMERO QUE SE TORNA IMORTAL
"Os Artistas são as antenas da raça humana, eles auscultam e pressentem o porvir" ... Ezra Pound

REGISTRAS TUA PRESENÇA CLICANDO NA ROSA

ARTE É AMOR E LUZ

A música é a linguagem dos espíritos. Khalil Gibran

A música é a linguagem dos espíritos. Khalil Gibran
Na dimensão daquilo que pensamos ou sentimos não há lugar ou tempo definidos ...

ARTE É VIDA

ARTE É VIDA
ARTE É VIDA E AMOR

MEU NOVO LIVRO DE VISITAS

NEW MAP-MAPA DE VISITANTES ON LINE

VISITAS ON LINE

CORAGEM DE SONHAR

"O mundo está nas mãos daqueles que têm a coragem de sonhar e correr o risco de viver seus sonhos"
Paulo Coelho

AMIZADE NOSSO BEM MAIOR

AMIZADE NOSSO BEM MAIOR

AMIGOS SEGUIDORES DO BLOG ARTE É VIDA - FALLOWERS

"Tudo quanto vive, vive porque muda; muda porque passa; e, porque passa, morre. Tudo quanto vive perpetuamente se torna outra coisa, constantemente se nega, se furta à vida."
Fernando Pessoa.

'Não queremos perder, nem deveríamos perder: saúde, pessoas, posição, dignidade ou confiança. Mas perder e ganhar faz parte do nosso processo de humanização'

Lya Luft


ARTE É VIDA - TRADUTOR

ARTE É VIDA - TRADUTOR
TRADUTOR INSTANTÂNEO-52 IDIOMAS-clique no livro acima

PAIXÃO E SILÊNCIO

PAIXÃO E SILÊNCIO
Blog Sinfonia de Sensualidade

CORAÇÃO E PAIXÃO

CORAÇÃO E PAIXÃO
" A Paixão, que não seja imortal posto que é chama, mas que seja eterna enquanto dure." Vinícios de Moraes

ARTE É VIDA 300..000 VISITAS - NEW POSTS

ARTE É VIDA 300..000 VISITAS - NEW POSTS

ARTE É VIDA E LUZ

ARTE É VIDA E LUZ

PLANTE AQUILO QUE DESEJA COLHER

PLANTE AQUILO QUE DESEJA COLHER
SANDRA WAIHRICH TATIT - NOVAS POSTAGENS - NEW POSTS

Thursday, April 10, 2008

FREUD E A ARTE __ A OBRA NO LUGAR DO ANALISTA __ PSICANÁLISE E A ARTE MODERNA __ PSICANÁLISE COMO PERSPECTIVA CRÍTICA __ ARTE E TERAPIA __ LIBERTAÇÃO

Como espectador, Freud confessa seus limites e suas afinidades estéticas, mas não deixa de oferecer à arte um modo de pensar
"Não sou um conhecedor de arte, mas simplesmente um leigo (...). Sou incapaz de apreciar corretamente muitos dos métodos uti­lizados e dos efeitos obtidos em arte (...). Não obstante, as obras de arte exercem sobre mim um poderoso efeito, especialmente a literatu­ra e a escultura e, com menos freqüência, a pintura. Isto já me levou a passar longo tempo contemplando-as, tentando apreendê-las à mi­nha maneira, isto é, explicar a mim mesmo a que se deve seu efeito. Onde não consigo fazer isso, como, por exemplo, com a música, sou quase incapaz de obter qualquer prazer." É com tais palavras que Freud (1914) se dirige aos seus leitores, tentando assegurar indul­gência para o resultado de suas incursões no campo das artes. Na posição de espectador, confessa seus limites e suas afinidades estéti­cas, sugerindo uma diferença de estatuto entre as artes que constituem os pólos de referência da Psicanálise - literatura e artes plásticas .

TRAGÉDIA E PINTURA
Nascida entre a medicina e a literatura, a Psicanálise tem lugar garantido no campo da construção ficcional, encontrando na tragédia uma chave para o trabalho de in­terpretação, uma vez que ela já oferece uma representação privilegiada do que é posto em jogo em uma Psicanálise: a relação do desejo com a castração (Lyotard). É diferente a situação da pintura. No pensamento de Freud, a questão principal é a seguinte: a tela, assim como uma cena oní­rica, representa um objeto ou uma situação ausentes que, censurados, só se dão a ver por meio de seus representan­tes simbólicos.Como o sonho, o objeto plástico é pensado segundo a função de representação alucinató­ria e de ludíbrio. Aproximar-se desse objeto com palavras que permitem a apreensão de seu sentido significa dissipá-lo, assim como a conversão da imagem onírica em discurso conduz a significação para o espaço da racio­nalidade, rasgando o véu das representações sob o qual essa significação se ocultava. 0 objeto plástico, enquanto construção muda e visível, situa-se no espaço de realização imaginária do desejo. E é nisto que reside a função da arte, conforme aparece no ensaio Escritores criativos e devaneio (1908), quando Freud distingue dois componentes do prazer estético: um prazer propriamente libidinal que provém do conteúdo da obra à medida que esta nos permite realizar nosso desejo (o que fazemos por identificação com o perso­nagem ou com algum elemento do assunto tratado na obra) e um prazer proporcionado pela forma ou posição da obra que se oferece à percepção não como um objeto real, mas como uma espécie de brinquedo, de objeto intermediário, a propósito do qual são permi­tidos pensamentos e condutas com os quais o espectador pode se deleitar sem auto-acusa­ções nem vergonha.Essa função de desvio com relação à realidade e à censura é uma característica das obras de arte. E, considerando que o interesse de Freud pela arte relaciona-se à leitura dos significados reprimidos e incons­cientes, o trabalho artístico é entendido como uma atividade de expressão sublimada de desejos proibidos. E o artista, nessa medida, é concebido como um ser talentoso o bastan­te para transformar os impulsos primitivos, sexuais e agressivos, em formas simbólicas, isto é, culturais. Como os sonhos e os jogos de linguagem, o trabalho artístico facilita a expressão, o reconhecimento e a elaboração de sentimentos reprimidos, tanto para os artistas quanto para os espectadores que, por sua vez, compartilham com os primei­ros a mesma insatisfação com as renúncias exigidas pela realidade e, por intermédio da obra, a experiência estética. Assim, o vínculo entre psiquismo e arte pode chegar a ser concebido de um modo tão direto ou imediato que a singularidade da obra é perdida de vista, ao mesmo tempo em que o psiquismo passa a ser simplesmente ilustrado pela obra.
A partir dessa concepção de arte, duas são as perspec­tivas analíticas possíveis: privilegia-se o conteúdo, isto é, o motivo na pintura, e compreende-se o enquadramento plástico, conforme a função representativa, como um suporte atrás do qual se desenvolve uma cena inacessível; ou, então, busca-se, escondido sob o objeto representado, uma forma supostamente determinante do imaginário do pintor. Entretanto, através dessas análises, corre-se o risco de identificar efeito estético e efeito narcótico. Se a forma estética e uma espécie de véu destinado a subornar as defesas do destinatário, somos obrigados a admitir, parado­xalmente, que o efeito estético é anestésico (Thévoz). E, nesse sentido, no tocante à ordem social, tal visão da arte é conservadora.
PSICANÁLISE E ARTE MODERNA

Não é um exagero pensar que tudo o que importa em matéria de pintura, pelo menos após Cezanne (1839­1906) - ao contrário da facilitação do adormecimento da consciência e da realização do desejo inconsciente do espectador -, é produzir no suporte uma espécie de análogo do próprio inconsciente, suscitando inquietude, revolta, perplexidade, interrogação. Desde o começo do século 20, a situação das obras parece não mais satisfa­zer as condições propostas por uma estética derivada de Freud. E isto porque o sinistro e o vazio descaradamente assaltam as formas. Se, ao ser comparada à arte clássica,a arte moderna mostra-se diferente é porque a angústia a perfura, subvertendo a sua função: a obra desublima as formas culturais, abrindo-as às forças disruptivas. E talvez seja esta uma razão pela qual Freud suspeitava da arte de seu tempo, contrária às suas convicções. Porém, se a análise freudiana parece inadequada à pintura é que não só a pintura diferenciou-se, mas no próprio tempo dos escritos freudianos (1895-1938), a arte já mudara de maneira e de temática.Principalmente com as vanguardas, o espaço pictóri­co construído no Quattrocento decai e com ele a função da representação que ocupava o centro da concepção freudiana da arte. Assim, compreender a arte moderna com a noção de representação e sua correlata - a subli­mação - é ignorar a modernidade das artes. Ora, desde a primeira década do século 20, a Psicanálise coexiste com o modernismo. As obras de Klimt, Schiele, Moser e Kokoschka convulsionaram a Viena moderna de Freud, embora este nunca tenha se referido a tais artistas e nem mesmo a algum outro seu contemporâneo.
E, no entanto, é possível visualizar algumas aproxi­mações entre arte moderna e Psicanálise: o fascínio pela origem e o valor atribuído aos sonhos, às fantasias e à sexualidade; a sensibilidade à mulher, à criança e ao louco; a reflexão sobre o estranho, a alteridade e a intersubjetivi­dade. Além disso, os surrealistas inspiraram-se na Psica­nálise para elaborar suas idéias no campo visual e muitos outros incorporaram termos psicanalíticos em seus próprios discursos críticos como, por exemplo, repressão, sublima­ção, fetichismo... E, mesmo que a compreensão da arte tenha se diferenciado com os chamados pós-freudianos, a tese da leitura simbólica permanece, como se a obra de arte fosse sempre análoga ao sonho a ser decifrado, como se ela fosse a codificação de um enigma ou a representação de complexos estados mentais a serem decodificados. Trata-se de um modo de interpretar a arte que curiosamente pode se aproximar da crítica moderna da arte.

PSICANÁLISE COMO PERSPECTIVA CRÍTICA
Diferentemente da crítica moderna, entretanto, na ver­tente inaugurada por Baudelaire que põe o crítico como in­térprete entre público e artistas, a crítica da arte contem­porânea não se aproxima das obras sabendo o que elas são, pois tais obras resistem à crítica armada de valores esté­ticos pré-estabelecidos para interpretá-las e legitimá-las como arte. Nesse sentido, um aspecto importante da crítica contemporânea é a abertura a outras perspec­tivas com origens diversas - na Filosofia, nas ciências humanas e até nas ciências naturais. E muitos dos estudiosos que contribuem para esse campo não se consideram especialistas em estética, mas, antes, filósofos, antropólo­gos, teóricos da linguagem e, evidentemente, psicanalistas. No caso da Psicanálise a ques­tão é particularmente interessante porque, no século 20, constatamos a emergência de um sentir definido no âmbito da afetividade e da emoção que não se deixa reconduzir com facilidade às referências clássicas da estéti­ca, desenvolvidas na passagem do século 18 para o 19. Nessa medida, Freud é conside­rado um autor importante pela crítica de arte contemporânea.Com efeito, considerando que o dis­curso psicanalítico não é normativo e que a Psicanálise compatível com a arte não pode ser "aplicada", mas implicada - isto é, derivada da arte ou engastada nela, pois não é uma forma pré-moldada a se aplicar à matéria exterior, não é um modelo que ajusta abstratamente o objeto artístico às suas exigências teórico-conceituais -, a Psicaná­lise reivindicada pelas artes não é método de investigação da cultura, mas um modo de pensar que busca escapar da repetição ao infinito daquilo que teoricamente já se sabe. É a esse modo de pensar inventado por Freud que os analistas são obrigados a se referir, se pretendem estar fazendo Psicanálise e se pretendem expressar os sentidos de uma obra - clássica, moderna ou contemporânea.

A OBRA NO LUGAR DO ANALISTA
São basicamente dois os estudos de Freud que abordam as artes plásticas - Leonardoda Vinci e uma lembrança de sua infância (1910) e Moisés de Michelangelo (1913). Se, no primeiro, Freud já tentava operar a partir do cruzamento entre dois pontos de vista, o endopoiético e o exopoiético - isto é, o que considera os constituintes internos à obra e o que considera os fatores provenientes do con­texto que a sustenta -, na leitura do Moisés, a primeira perspectiva fica mais clara, aprofundando o campo compreendido pelas estruturas subjetivas do artista que não se confundem com os dados biográ­ficos do criador. As estruturas subjetivas não são da ordem dos acontecimentos, mas resultam da transformação das relações entre exterior e interior. Nesse sentido, o critico que toma o partido das estruturas subjetivas não pode excluir de sua pesquisa sua pró­pria estrutura subjetiva (André Green). E, devido à implicação do sujeito no objeto, a interpre­tação será sempre arriscada, pois o intérprete está livre de um lado exatamente porque está ligado ao outro, podendo acontecer que as descobertas afetem sua relação com seu próprio inconsciente. E talvez seja este o tributo a ser pago por esta transgressão epis­temológica mediada por um outro - o universo oculto do artista implicado na obra.
Quando se trabalha com obras de arte, é preciso reconhecer este risco e aceitá-lo. No entanto, não é fácil manter-se aberto à alteri­dade que nos interroga, uma vez que as obras estão sempre a exigir de nós criação para delas termos experiência. É uma experiência propriamente estética que Freud elabora na relação com a peça de Michelangelo. Livre de todo jogo de projeções teórico-conceituais, Freud se deixa guiar pela obra ao analisar os seus detalhes plásticos e a sua fortuna crítica, dispondo-se a uma percepção nova: a obra como momento de uma história invisível a re­construir. E, a partir da hermenêutica formada no campo entre seu olhar e a obra, rompe com a ideologia artística da verdade universal, fixada anacronicamente. Diferente foi seu trabalho com Leonardo da Vinci. Embora a estética da criação esteja pressuposta, o artis­ta não é tratado como "divino", mas como um homem comum. Nesse caso, não é a estética a questão principal, mas a temática da vida.0 que Freud faz é apontar para a troca contínua entre passado e futuro, mostrando que cada vida sonha enigmas cujo sentido final não está fixado em parte alguma, e exige liberdade criativa para a fiel retomada de si mesma. É, portanto, um equívoco eleger o Leonardo como modelo da aproximação psicanalítica das artes plásticas. Ao contrário, é a análise do Moisés que legitima essa relação, levando o analista a repensar noções constituídas no campo da inter­pretação: o contato com a obra suscita no espectador ques­tões a analisar. Mas, apesar de diferentes, os dois ensaios contestam o falado conservadorismo de Freud. Ao tratar um gênio clássico como homem comum, nosso autor reafirma a vocação da Psicanálise para a subversão do instituído.E, com o ensaio sobre a escultura, quase meio século antes de a crítica ser sacudida com a tese de Duchamp - "são os espectadores que realizam as obras" -, Freud dá seus próprios passos na linha da estética da recepção. Com isso, a Psicanálise, talvez à revelia de seu inventor, entra dignamente no campo da crítica contemporânea, oferecendo às obras um modo de pensar que, como a arte, busca transcender a familiaridade das formas culturais.Referências bibliográficas
FREUD, S. Escritores criativos e devaneio (1908). Obras Completas. Rio de Janeiro, Imago, 1970, vol.IX, ps 135-143.FREUD,S. O Moisés de Michelângelo(1914). Op.cit. vol. XII, ps. 249-280. FREUD,S. Leonardo da Vinci e uma lembrança de sua infância (1910). Op. Cit. Vol. XI, ps. 55-124.GREEN, A. Revelações do inacabado. Rio de Janeiro, Imago Ed. Ltda, 1994.LYOTARD, J. F. Freud selon Cézane. Des dispositifs pulsionels. Paris, Christian Bourgois, 1980, ps.67-88.THÉVOZ, M. Art, folie, graffiti, LSD, etc. Suisse, Editions de l’Aire, s/d.
João A. Frayze-Pereira
Professor livre Docente do Instituto de Psicologia da Usp.
Membro da Association Internationale des Critiques d'Art ( AICA)
Síntese Pesquisa Internet

No comments: